17/06/2015 Superação de desafios ambientais passa por transparência, organização e coparticipação

Santo André, 17 de junho de 2015 – Transparência, organização e coparticipação foram as principais mensagens transmitidas durante o Seminário “Desafios Ambientais Contemporâneos”, promovido pelo Semasa nesta quarta-feira, dia 17. Três mesas-redondas compuseram o encontro, pautadas nas questões da escassez hídrica, gestão de resíduos na construção civil e logística reversa, respectivamente. Os especialistas convidados reforçaram em suas apresentações a importância do empoderamento, seja em níveis governamentais, como o municipal, e da sociedade para tratar dessas questões. Também reforçaram a necessidade de o município ser remunerado de alguma forma pela gestão dos resíduos sólidos.

O distanciamento da população das medidas que vêm sendo adotadas para enfrentar a falta de água foi o mote da primeira mesa-redonda do dia, que teve como tema “Impactos decorrentes da escassez hídrica”. O superintendente do Semasa, Sebastião Ney Vaz Jr., abriu o encontro falando sobre como Santo André tem enfrentado o problema, bem como a falta de planejamento dos órgãos gestores estaduais e federais. A abertura do seminário contou também com a participação do prefeito de Santo André, Carlos Grana, e do gerente geral da Caixa Econômica Federal, Adilson Sobral.

Palestraram, ainda, a professora Laura Bueno, coordenadora do programa de pós-graduação em Urbanismo da PUC/Campinas, e Leandro Giatti, professor da Faculdade de Saúde Pública da USP. Os dois especialistas destacaram em suas apresentações a necessidade de união de forças, divisão de responsabilidades e participação de todos.

Na parte da tarde, duas outras mesas-redondas foram realizadas, ambas com temas envolvendo resíduos sólidos. Em ambas, as discussões levantaram a questão do custo que os municípios têm para fazer a gestão dos resíduos.
A primeira delas, intitulada “Desafios na implementação do Sistema de Logística Reversa”, teve a participação da consultora em Direito Público e Urbanístico, Marcela de Oliveira Santos, e da gerente de Resíduos Perigosos do Ministério do Meio Ambiente, Sabrina Gimenes de Andrade.

Sabrina afirmou que, enquanto participante da logística reversa, o município deve ser remunerado. “Isso deve ser feito mediante uma negociação entre as partes”, disse. Sabrina falou sobre os desafios na implantação da logística reversa. Segundo ela, a falta de informação sobre, por exemplo, o volume gerado de determinado resíduo, é uma das dificuldades para a elaboração dos acordos setoriais. Atualmente, estão mais avançadas no Ministério as negociações dos acordos para embalagens em geral e para eletroeletrônicos.

Mesmo com as dificuldades, Marcela destacou a importância da implantação da logística reversa. “A obrigação é compartilhada. Cada um é responsável, mas todos são responsáveis juntos – fabricantes, importadores, distribuidores, comerciantes, titulares de serviços públicos de limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos”, disse. Ela também lembrou que é necessário que os resíduos gerem recursos: “Não é possível falar de logística reversa de embalagens sem mencionar coleta seletiva e a política pública de cada cidade. É preciso que a coleta seletiva gere recursos, mas isso depende do reconhecimento de cada localidade. A logística reversa é uma oportunidade única para todos nós, não podemos perder esse momento único na história”.

O custo da gestão dos Resíduos da Construção e Demolição (RCD) também foi o foco da segunda mesa da tarde, “Sustentabilidade na gestão dos resíduos da construção civil”. Durante sua apresentação, o diretor de Obras, Manutenção e Resíduos de Jundiaí, Gilberto Carneiro explicou como o município implantou uma usina de reciclagem de entulho e cobra do gerador de restos de construção uma taxa para que o material seja retirado por um caçambeiro. Segundo Carneiro, o sistema, que também tem controle on-line, rendeu uma economia de R$ 12 milhões anuais à Prefeitura e reduziu de 1.270 pontos irregulares de descarte de entulho para 20, entre 2013 e 2015. “O lixo traz custos. O resíduo traz receita para o município”, disse. Segundo ele, a economia foi possível porque o entulho reciclado é usado nas obras da Prefeitura, que deixa de comprar o material novo.

Segundo Lilian Sarrouf, consultora de Sustentabilidade do Sinduscon (Sindicato da Construção), a gestão do RCDs também representa economia para as construtoras e obras mais sustentáveis. Ela mostrou um novo sistema que o Sinduscon está implantando com a Cetesb, o Sigor (Sistema Estadual de Gerenciamento Online de Resíduos Sólidos), que tem o objetivo de fazer o monitoramento da gestão dos resíduos sólidos desde sua geração até sua destinação final.

ImprimirGerar PDFEnvie para um amigo

NOTÍCIAS

Com aumento de casos de coronavírus, Semasa reforça desinfecção de ruas e avenidas

27/02/2021: Com aumento de casos de coronavírus, Semasa reforça desinfecção de ruas e avenidas

Serviço de limpeza é feito principalmente próximo a unidades de saúde, hospitais de campanha e locais onde há maior fluxo de pessoas Santo André, 27 de fevereiro de 2021 – Em meio ao aumento de diagnósticos positivos do novo coronavírus, as equipes do setor de drenagem do Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) intensificaram os trabalhos de desinfecção de ruas e avenidas do município, o que ajuda a prevenir novos casos de contágio. A limpeza das...

Santo André intensifica diálogo social para promover maior transparência sobre o Complexo Viário Cassaquera

26/02/2021: Santo André intensifica diálogo social para promover maior transparência sobre o Complexo Viário Cassaquera

Santo André, 26 de fevereiro de 2021 – Com o objetivo de promover uma maior aproximação dos moradores de Santo André com as obras do Complexo Viário Cassaquera, o Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) voltou a realizar reuniões com a população. Nesta semana, nos dias 23 e 25, profissionais da autarquia se reuniram com pessoas que residem nos bairros Centreville, Parque Gerassi, Vila Guarani e Vila Homero Thon para apresentar informações sobre as obras de canalização...

Semasa abre licitação para construção de dez Estações de Coleta

24/02/2021: Semasa abre licitação para construção de dez Estações de Coleta

Expectativa é entregar os novos equipamentos ainda neste ano Santo André, 24 de fevereiro – O Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) abriu nesta quarta-feira (24) licitação internacional para contratar empresa para construir mais dez Estações de Coleta na cidade. A execução do projeto executivo dos novos equipamentos e as obras fazem parte do Programa Sanear Santo André, cujas intervenções são financiadas parcialmente pela CAF – Banco de Desenvolvimento da América Latina. A previsão da autarquia...

Semasa e GCM firmam parceria para coibir furto de equipamentos de drenagem na Vila Luzita

19/02/2021: Semasa e GCM firmam parceria para coibir furto de equipamentos de drenagem na Vila Luzita

Desde janeiro, 19 ralos grelhas sumiram do calçadão na rua Alcides Maia; falta de dispositivos pode ocasionar acidentes e alagamentos Santo André, 19 de fevereiro de 2021 – O Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) e a GCM (Guarda Civil Municipal) estão trabalhando juntos para coibir um problema que vem ocorrendo no calçadão da rua Alcides Maia, na Vila Luzita: o furto de ralos grelhas. Desde janeiro, 19 dispositivos – que são fundamentais para captar a...