11/11/2014 Falta regulação e clareza na cobrança de tarifas

Santo André, 10 de novembro – A crise hídrica é muito mais do que a seca extrema deste ano, que vem castigando, principalmente, a região Sudeste do Brasil. Durante o 8º Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental, promovido pela Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento (Assemae), que está sendo realizado em Santo André, os debatedores lembraram que a falta de planejamento foi um dos problemas que levaram à situação atual. Os debatedores também discutiram a dificuldade da regulação do setor e a falta de clareza para a composição do preço da tarifa de água no atacado praticado pela companhia estadual aos serviços municipalizados que atuam na atuação na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) e dependem da compra da água produzida pela Sabesp.

Cálculo – No segundo painel, os desafios da regulação, a interdependência entre os entes federados e a definição do custo do serviço de abastecimento foram a tônica. O superintendente do Semasa, Sebastião Ney Vaz Jr., lembrou que a Sabesp não deixa claro como é o cálculo do valor da tarifa da água no atacado e questionou a agência reguladora Arsesp, presente no debate. A Arsesp é responsável pela regulação da tarifa praticada pela Sabesp.
“É preciso pensar no usuário como aquele que financia os serviços do município e por isso tem de deixar este gasto mais claro”, afirmou. “A tarifa da companhia estadual Sabesp não é bem definida, nem clara para a população. Qual é o papel da agência reguladora?”, questionou Ney Vaz. Ele ainda acrescentou que, se a prática continuar a mesma, os serviços municipais de saneamento tendem a desaparecer. “O valor da água no atacado, cobrado pela Sabesp, as imobiliza.” Ney reforçou que a falta de um contrato entre a Sabesp e o município cria insegurança jurídica, embora o serviço municipal de saneamento tenha de ser uma responsabilidade compartilhada com a companhia estadual, no caso da RMSP. “Mesmo com a regulação, este assunto continuou sem solução”, disse Ney.
O presidente da Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp), José Luiz de Oliveira, evitou tratar da responsabilidade compartilhada. Destacou apenas que os planos municipais de saneamento são necessários para a liberação de recursos federais, porém, em muitos municípios, “são muito iguais ou até copiados”. Segundo ele, tal cenário dificulta a regulação, também afetada pela falta de técnicos especializados e de agências reguladoras muito vinculadas ao poder público, entre outros.
Responsabilidade – Na sua explanação durante o primeiro painel que discutiu a segurança hídrica e a gestão dos serviços em São Paulo, o presidente nacional da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes), Dante Ragazzi, afirmou que as operadoras dos serviços estão assumindo maior responsabilidade do que deveriam ter na atual crise hídrica. Para ele, a Agência Nacional de Água (ANA) e o governo estadual deveriam ser mais atuantes na gestão da crise, sem repassar para as operadoras, sejam elas municipais ou estadual.
“O Semasa e a Sabesp, por exemplo, são apenas operadoras e não as responsáveis por conter a crise hídrica. A gente tem que cobrar dos órgãos responsáveis também”, disse. Ao mesmo tempo, Ragazzi também criticou a dificuldade de implantação de alternativas, como a ampliação do uso da água de reúso. “A água não é um negócio, mas sim um bem de extrema necessidade”, disse.
Preservação – O presidente nacional da Assemae, Silvio José Marques, lembrou de outros fatores que colaboraram para a crise, como a falta de preservação das matas ciliares, que prejudicam a captação nos mananciais e encarecem o tratamento pela ocupação desordenada das margens das represas. “Nós temos de pensar de forma integrada e, neste caso, o papel da educação ambiental é fundamental”, disse, acrescentando que é necessário investimentos também em tecnologia e na preservação dos mananciais.

O Seminário da Assemae, em parceria com o Semasa, continua nesta terça e quarta-feira (11 e 12/11), no Teatro Municipal de Santo André, com debates sobre resíduos sólidos e financiamento do setor. Veja programação em www.assemae.org.br.

ImprimirGerar PDFEnvie para um amigo

NOTÍCIAS

Fiscalização Ambiental do Semasa interrompe evento com música ao vivo e aglomeração no Parque Miami

25/07/2021: Fiscalização Ambiental do Semasa interrompe evento com música ao vivo e aglomeração no Parque Miami

Ação em conjunto com a Polícia Militar e GCM também rendeu multa ao proprietário e apreensão dos equipamentos Santo André, 25 de julho de 2021 – A equipe de Fiscalização Ambiental do Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André), com apoio da Guarda Civil Municipal e Polícia Militar, flagrou na madrugada deste domingo (25) um bar no Parque Miami, que realizava evento com música ao vivo e aglomeração de mais de 100 pessoas, todas sem máscara. A...

Semasa autua em flagrante infrator que descartava terra e entulho em área de proteção ambiental

22/07/2021: Semasa autua em flagrante infrator que descartava terra e entulho em área de proteção ambiental

Crime ambiental ocorreu no Recreio da Borda do Campo e o responsável também teve o veículo apreendido. GCM apoiou a ação  Santo André, 22 de julho de 2021 – A equipe de Fiscalização Ambiental do Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) flagrou na noite desta quarta-feira (21) um caminhão que realizava continuamente descartes de terra e entulho em uma área pública de preservação permanente no Recreio da Borda do Campo, que havia sido invadida no início...

Infrator remove resíduos descartados em área pública e terá de participar de operações de limpeza

21/07/2021: Infrator remove resíduos descartados em área pública e terá de participar de operações de limpeza

Motorista de caminhão jogou irregularmente cerca de 18 toneladas de entulho às margens do córrego dos Meninos, em Santo André Santo André, 21 de julho de 2021 – Um motorista que foi pego em flagrante jogando cerca de 18 toneladas de entulho na avenida Lauro Gomes, na Vila Sacadura Cabral, efetuou a limpeza do local na tarde desta terça-feira (20). O Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) também exigirá que o responsável participe semanalmente de operações...

Reciclagem de óleo de cozinha é importante para o meio ambiente

19/07/2021: Reciclagem de óleo de cozinha é importante para o meio ambiente

Semasa recebe óleo usado em todas as Estações de Coleta de Santo André Santo André, 19 de julho de 2021 – Para garantir um destino ambiental correto ao óleo de cozinha usado, o Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) coleta este tipo de resíduo em todos os ecopontos da cidade, desde 2008. Atualmente, a autarquia recebe – em média – 1.067 kg de óleo mensalmente que são destinados à reciclagem e transformados em sabão ecológico. Qualquer...